26 . 05 . 2022

Seguro garantia dá respaldo ao setor sucroalcooleiro

Publicado por Valor Econômico em 26/05/2022

Entre as vantagens da modalidade estão menor custo de aquisição, vigência do contrato avaliada caso a caso e o fato de não comprometer limite de crédito do tomador junto a instituições financeiras

As companhias do setor sucroalcooleiro mais bem preparadas no Brasil vêm surfando a onda de valorização do dólar. A exportação de produtos da categoria superou os US$ 10 bilhões em receita – dos quais quase 90% só com açúcar – no consolidado de 2021, segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Resultado expressivo, mesmo com impacto das variações climáticas (das secas às geadas intensas), das idas e vindas da covid-19 e da expansão da variante ômicron em todo o mundo no período.

Para efeito de comparação, há cinco anos o Brasil vivia um aumento de exportações no setor sucroalcooleiro: salto de US$ 6,8 bilhões para US$ 9,1 bilhões com receitas no segmento, tendo países da Ásia como destino muito atraente, com 30% do total dos produtos. O açúcar já era destaque, com 92% de interesse do mercado internacional.

Entre 2020 e 2021, houve incremento financeiro estimado em mais de 12%. E as perspectivas do setor sucroalcooleiro, responsável por 2% do Produto Interno Bruto (PIB) atualmente, são de ampliação das safras para este e os próximos anos.

Para tanto, investimentos em pessoas, processos, insumos, maquinários e inovação, entre outros, são fundamentais. Mas como fazê-los de maneira assertiva frente ao surgimento de novas cepas virais, as consequências do aquecimento global e os efeitos no cenário econômico? Como assegurar os cumprimentos de contratos com tantas variáveis? Nesse momento entram os seguros garantias para a evolução com perenidade dos negócios.

Segundo levantamento da consultoria RPA, especializada em agronegócio, existiam 444 usinas sucroalcooleiras no Brasil, com 96 delas (22%) em recuperação judicial, 27 (6%) falidas e 103 (23%) paradas/hibernadas, em 2020. Este mercado tem sido marcado pela consolidação de grandes grupos, pela busca por maior profissionalização, por novos ingressos de capital via fundos de investimentos e suportes que levam desde mais recursos para capital de giro aos planejamentos com resultados em um horizonte de longo prazo. Um estudo do Itaú BBA com 59 empresas do segmento, publicado recentemente no Valor, revelou que o setor teve 29% de aumento na receita líquida (R$ 79 bilhões) e Ebitda de R$ 23 bilhões (crescimento de 53%) na comparação do ciclo 2019/2020 com 2020/2021.

Com os preços do açúcar crescendo – ele tem a cotação dolarizada e atrelada a índices internacionais, com operações de hedge através de contratos futuros -, as empresas sucroalcooleiras vêm melhorando os seus índices financeiros. Tudo isso é resultado de reestruturações nas últimas duas décadas, com ênfase nos últimos dez anos.

Com melhorias nos índices de condição financeira especialmente ao longo dos últimos cinco anos, o que inclui dívida líquida e capex, há maior confiabilidade para obtenção de taxas de financiamento mais adequadas e, consequentemente, a ampliação das opções em operações de crédito e garantia.

O seguro garantia está entre as modalidades de maior popularidade no Brasil, principalmente após o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) autorizar, em março de 2020, na Justiça do Trabalho, a substituição do depósito judicial e da penhora de bens pela fiança bancária e pelo seguro garantia judicial ou recursal.

A substituição de depósito judicial oferece às empresas logo de cara maior fluxo de caixa com o aumento da sua liquidez. Logo, a utilização de seguro garantia e de crédito propicia melhor performance produtiva, comercial e financeira.

O seguro garantia é a melhor opção para o fiel cumprimento de obrigações contratuais assumidas pelo agente tomador perante o segurado. Seja em vínculos ajustados para prestação de serviços, fabricações ou fornecimento de bens, por exemplo. Ele atua frente aos riscos de perda de liquidez, insolvência nas hipóteses de recessão ou depressão econômica e quebra.

Dentre as vantagens do seguro garantia estão o menor custo de aquisição quando comparado a outras formas de garantia, vigência do contrato avaliada caso a caso e adequada às práticas de mercado e o fato de não comprometer o limite de crédito do tomador junto às instituições financeiras.

Corretoras especializadas em nichos de mercado, como o sucroalcooleiro, são as mais recomendadas para a aquisição do seguro garantia. Elas conhecem regulamentações, têm cases de atendimento bem-sucedidos e se tornam benchmarks.

Felipe Moreira é gerente comercial da Wiz Corporate, unidade da Wiz Soluções dedicada a seguros para empresas. E-mail: felipemoreira@wizsolucoes.com.br