12 . 09 . 2017

PMBOK versus Agile (diferenças, convergências e complementações)

A Wiz tem a inovação em seu DNA, estamos sempre pensando em sair da caixa para criar soluções. Para gerenciar e tornar real essas novidades, utilizamos como base a Gestão de Projetos, que, desde 2013, começou a ser utilizada por nós, baseada nas boas práticas do Guia PMBOK, porém adaptada à nossa realidade. Aprendemos muito e amadurecemos o nosso modelo de atuação de lá pra cá, saindo do modelo suporte de PMO — escritório de projetos, para o modelo diretivo, em meados de 2015. O modelo diretivo trouxe excelentes resultados, se mostrando eficiente e realmente útil no papel de co-gerenciamento dos projetos de cunho tradicional da empresa.

Nós, Wiz, considerando que deixamos de ser só corretora de seguros, decidimos que no início deste ano iríamos trazer mais do que soluções de inteligência “analógica”. Nossa ambição agora é explorar e adquirir ainda mais expertise para nos tornarmos digitais com soluções tecnológicas. Vamos arriscar mais, consequentemente, errar mais, temos que aprender mais rápido para atender os clientes com a qualidade desejada, e até mais do que isso. Estamos falando agora de projetos de prazos mais curtos, com maior envolvimento do cliente e que vão sendo construídos ao longo da sua jornada de auto aprendizagem. Com toda essa transformação digital, começamos a imergir no mundo Agile, inclusive na gestão dos projetos.

Com esse novo desafio, fomos em busca da melhor metodologia de gestão de projeto e nos deparamos com inúmeras visões: têm aqueles que querem “queimar” o PMBOK e ser 100% agilista e outros que não se desapegam do PMBOK, como se fosse sua bíblia…é quase uma discussão Fla x Flu.

Então, decidimos que não vamos escolher nenhum desses “times”, vamos fazer o nosso!

Aprender com os dois, pegar as melhores estratégias, métodos, práticas, e lições, entender o cenário único de cada projeto e fazer o nosso time Wiz, com nossos craques.

A principal diferença entre os dois métodos é que o Tradicional (considerando o PMBOK) sugere “o que deve ser feito” e não o “como deve ser feito”. Este último reflete o foco da contribuição que o Agile (considerando o Scrum) pode trazer. O ponto forte de contribuição do PMBOK é a abrangência em todas as áreas de conhecimento, abertura não explorada no Scrum. Já o Scrum, foca na entrega de valor ao cliente/negócio no menor tempo possível, trabalhando de maneira incremental, dinâmica e adaptável, o que no PMBOK é um plano mais rígido. Fazendo uma comparação em grandes linhas temos a tabela abaixo:

A metodologia tradicional fornece maior suporte gerencial ao projeto no que tange aos custos, orçamentos, contratações, aquisições, formalidades e oficializações, que são necessários e contributivos, mesmo em projetos de tecnologia, curtos ou pequenos. A metodologia ágil apresenta maior flexibilidade, versatilidade e dinamismo na sua execução, se atentando mais à entrega de valor para o negócio do que ao planejamento inicial.

Portanto, ao contrário do que muitos consideram, acreditamos que há mais complementariedade do que antagonismo.

Não queremos entrar na discussão de que o ágil é melhor do que o tradicional, nem o contrário. Temos a visão de que a união dos dois pode trazer mais forças na gestão do projeto, enxergando o que é melhor em cada momento para obtenção de melhores resultados. Estamos buscando a nossa melhor versão e já estamos aprendendo e conseguindo excelentes resultados. Daqui pra frente vamos consolidando as melhores práticas aplicadas a cada tipo de projeto. Vamos juntos nessa caminhada?

Tiago Santos e Nathana Cavalcante, Analistas de Projetos na Wiz.