17 . 12 . 2021

Novos indicadores para um novo mercado

Wiz reforça sua agenda positiva e lança programas e ações de cunho social que buscam conscientizar líderes e colaboradores sobre a importância do tema

ESG: 3 LETRAS QUE PODEM MUDAR O MUNDO – E TRANSFORMAR UM NEGÓCIO

Refere-se às práticas de governança como compliance, saúde fiscal, gestão de processos e pessoas, estratégias de ação.

No momento em que sociedade, investidores e colaboradores cobram das empresas uma política de boas práticas, pensar na pauta ESG se tornou indispensável. A sigla que ganhou relevância no Brasil nos últimos anos, sobretudo durante a crise provocada pela proliferação da Covid-19 no país, fez com que o mercado olhasse mais de perto para critérios sociais, ambientais e de governança corporativa. São fatores que cada vez mais pesam na balança dos investidores, que vão além dos indicadores financeiros.

É uma tendência que acompanha o movimento de mercado de alguns países da Europa, EUA e Japão. Uma das maiores gestoras de ativos do mundo, a BlackRock, em estudo divulgado recentemente, aponta que 94% dos produtos de investimento que seguem os princípios sustentáveis tiveram melhor performance do que seus pares em 2020. No Brasil, fundos registrados nessa categoria registraram um crescimento de 26%, de acordo com dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

De olho nessa agenda e no impacto positivo que ela provoca, a área de Relações com Investidores da Wiz, atuando como a porta de comunicação para o mercado, fez um importante levantamento sobre o posicionamento do conglomerado em relação ao tema, dando foco aos programas em andamento e ampliando a discussão para projetos futuros. Foi também uma resposta ao time da B3 responsável pelo Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), que se propõe a fomentar o debate dentro das empresas.

A partir da criação de um comitê temporário formado pelas áreas de RI, Governança e Gente e Gestão, a Wiz mapeou as ações em curso e definiu uma estratégia para evoluir em processos e métodos. “Adotamos uma visão mais global, pensando nos impactos que a companhia provoca no seu ecossistema. Como ela lida com seus clientes, com os funcionários, fornecedores, não se limitando a uma lógica financeira”, diz Stefania Fernandes, superintendente de Relações com Investidores da Wiz.

Esse diálogo ganhou corpo dentro da empresa, transformando-se aos poucos num processo de conscientização e aculturamento entre colaboradores de todas as áreas, com um importante papel dos líderes como embaixadores desse novo jeito de pensar as coisas. Um dos impulsos nesse sentido foi o selo “ESG é para mim”, do programa Gestor BEST, uma iniciativa em formato de gamificação que atrela a bonificação dos gestores (PLR) ao desenvolvimento de ações de cunho social, ambiental e de governança.

O nome do selo foi uma maneira de deixar ainda mais claro que a implementação de uma pauta sustentável é responsabilidade de todos. Aliás, esse é o lema que Carolina Bento, diretora de Gente e Gestão da Wiz, mais propaga em suas reuniões sobre o tema, na tentativa de conectá-lo ao dia a dia do público interno. “Esses projetos começam a mudar o mindset da empresa e se transformar em elementos da cultura. Precisamos amadurecer a conexão de como essas pautas impactam a imagem e reputação da empresa, na retenção e atração de talentos, na avaliação de investidores”, afirma a gestora.

Diversidade e inclusão

A Wiz sempre esteve associada ao desenvolvimento de pessoas, a questões fundamentais de inclusão e diversidade, trazendo, por exemplo, em seu propósito, a preocupação com “uma sociedade cada vez melhor”. Por isso, o pilar social que a sigla ESG carrega tem um peso tão preponderante nas ações capitaneadas pelo conglomerado. Uma delas é o programa de capacitação realizado em parceria com o Alicerce, uma empresa de impacto social focada em educação. Com duração de 4 meses e realização prevista para o segundo semestre deste ano, o projeto pretende desenvolver 60 alunos, preferencialmente jovens negros em situação de vulnerabilidade social. Ao fim do programa, que conta com aulas de português, matemática, educação digital e outras disciplinas, os selecionados poderão fazer parte do quadro de funcionários da Wiz.

“Nosso foco é preparar essas pessoas para o mercado de trabalho. Queremos aproximá-las das oportunidades, oferecendo uma porta de entrada para a formação de sua carreira”, diz Carolina Bento, que destaca um dos lemas da companhia – “unir pessoas diversas” – ao justificar a participação da Wiz no projeto.

Num movimento natural, questões que estão na pauta ESG passam a fazer parte do discurso e de ações internas, com reverberação para o mercado e benefícios para a sociedade. Ao mesmo tempo em que há sinais de mudança cultural por parte das gerações mais jovens, cada vez mais conscientes de sua responsabilidade social e ambiental, as empresas precisam colocar a mão na consciência e se adequar aos novos tempos. É um caminho sem volta!

“Precisamos amadurecer a conexão de como essas pautas impactam a imagem e reputação da empresa, na retenção e atração de talentos, na avaliação de investidores.” Carolina Bento, diretora de Gente e Gestão da Wiz.

“Adotamos uma visão mais global, pensando nos impactos que a companhia provoca no seu ecossistema. Como ela lida com seus clientes, com os funcionários, não se limitando a uma lógica financeira.” Stefania Fernandes, superintendente de Relações com Investidores da Wiz.