06 . 08 . 2021

Nas horas vagas, professora voluntária

Tamera Mota, da Wiz BPO, dá aulas gratuitas para jovens e adultos tirarem a certificação dos ensinos fundamental e médio

Aos 28 anos de idade, Tamera Mota, consultora de relacionamento da Wiz BPO, coleciona batalhas, como a escassez de recursos na juventude, a maternidade aos 16 e a perda do pai, Joaquim, em 2012. Ainda assim, alimenta o desejo de um mundo melhor, não apenas para ela, mas para pessoas em situação de maior vulnerabilidade. Desde 2013, Tamera é educadora voluntária, atividade que desempenha com alegria entre as muitas tarefas do cotidiano.

A primeira vez da moradora do Paranoá (DF) em uma sala de aula foi como educadora social de crianças, em uma iniciativa do governo local que transformou a sua vida. “Quando o meu pai faleceu, larguei tudo, inclusive os dois estágios que fazia, e fiquei um ano em casa. Até que minha irmã Joanita, que é pedagoga, me convidou para participar do projeto Educador Social Voluntário. Ao conhecer os alunos e ver que eu tinha facilidade em ensinar, comecei a me identificar e me apaixonei”, recorda. 

Por causa dessa experiência, Tamera trocou o desejo de estudar direito pela pedagogia. Em 2018, assumiu um novo desafio: trabalhar como educadora de jovens e adultos no programa hoje chamado Formação Social e Alfabetização de Jovens e Adultos, mantido pelo Centro de Cultura e Desenvolvimento do Paranoá e Itapoã (Cedep) e pelo Movimento de Educação de Base (MEB), com apoio da Universidade de Brasília (UnB). 

A vida atribulada de trabalho, o último ano de graduação e nem mesmo a pandemia foram empecilhos para ela deixar os atuais 26 alunos sem suas atividades diárias. “Eu me dedico à Wiz até às 17h, depois conecto na plataforma da faculdade e, de meia-noite em diante, corrijo as atividades e mando lições para eles pelo WhatsApp. Tivemos de nos adaptar por causa da pandemia, mas é bom que assim eu consigo trabalhar em outros horários e ter alunos de várias cidades do DF e até de Minas Gerais”, conta. 

Tamera reforça que todos têm algo a oferecer a outras pessoas. “O pouco que soubermos e pudermos passar para alguém já pode fazer total diferença na vida dele.” A voluntária comemora as conquistas dos alunos. “Dez deles já tiraram o diploma de ensino médio pelo Encceja (Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos). E um deles, o Wesley, depois disso, conseguiu passar no vestibular e está estudando ciência da computação. Eu o ajudei a se preparar nas duas etapas”, lembra.

A dedicação de Tamera ganhou reconhecimento dentro da Wiz, onde trabalha há dois anos. Ela foi convidada para contar essa história em uma das edições do Wiz Talks, ciclo de palestras da universidade corporativa Wizity. “Nessa ocasião, eu entendi a importância de as empresas contribuírem com o voluntariado, especialmente despertando a motivação em colaboradores e parceiros”. Para a Wizzer, os aspectos mais importantes de trabalhos como o que desenvolve são melhorar a autoestima das pessoas e possibilitá-las a liberdade “de buscar a verdade das coisas”. “A sociedade é tão complexa, e às vezes elas pensam que não têm nada e não sabem nada, mas elas são importantes, precisam ter a própria opinião e participar de forma ativa.”

Raio-x Wizzer

Nome: Tamera Mota

Idade: 28 anos

Cargo: consultora de relacionamento da Wiz BPO

Local: Brasília (DF)

Nas horas vagas: é educadora voluntária de jovens e adultos