03 . 07 . 2019

Inteligência Artificial e UX Design

No final de 2018 entrei em um projeto que usa a inteligência artificial para obter dados de usuários de forma inteligente. Até esse dia o meu conhecimento sobre esse tema vinha basicamente de filmes e um artigo ou outro de tecnologia. Nesse momento comecei a pensar em como eu poderia aprimorar a minha atuação para propor a melhor experiência para o usuário do sistema. Comecei então várias pesquisas na área e percebi que boa parte do que nós usamos hoje aplica essa tecnologia.

Quero compartilhar com vocês o que descobri e o que vem me deixando cada dia mais curioso. Como não sou de Ciência da Computação vou escrever apenas uma visão ampla do assunto, mas no final eu deixarei alguns links de artigos interessantes.

Então, a primeira pergunta que eu fiz…

O que é inteligência artificial?

A IA ou AI (artificial intelligence, em inglês) é a capacidade das máquinas de tomar decisões como os seres humanos, de aprender e solucionar problemas de forma inteligente.

Não só isso, a grande sacada é o desenvolvimento de sistemas que sejam capazes de aprender a se autodesenvolver a partir da junção de várias informações. Loucura, né?

Os filmes e livros de ficção cientifica já exploram esse tema há um bom tempo. Quem nunca viu o Exterminador do futuroMatrix e o mais recente Black Mirror.

Bons exemplos de inteligência artificial também já são vistos no nosso dia a dia como em jogos, sitesaplicativos redes sociais.

É comum, quando se fala de Inteligência Artificial, ouvir os termos Machine Learning e Deep Learning, mas o que é cada um deles?

Machine Learning

aprendizado de máquina, em português, é uma maneira de computadores usarem dados para aprenderem sozinhos, chegando ao resultado de forma autônoma. Um exemplo disso são as recomendações da Netflix ou de lojas virtuais que indicam produtos que você poderá gostar.

Deep Learning

Já o aprendizado profundo, uma parte do Machine Learning, analisa informações usando algorítmos complexos para imitar o nosso cérebro e aprender sobre algo com pouca ou nenhuma supervisão. O Google Assistant é um desses casos. Você consegue interagir por meio da fala com o assistente pessoal inteligente do Google e realizar tarefas do dia a dia com maior facilidade. Dá uma olhada no vídeo.

Como podemos aplicar essa tecnologia ao UX Design?

E o que podemos fazer, como designers, para melhorar a vida dos usuários usando a Inteligência Artificial?

São diversas maneiras de fazer isso. Algumas já são até bem utilizadas. Um caso famoso é o reconhecimento de imagem usado pelo Facebook e Google para nos falar quem é cada pessoa nas nossas fotos, mas isso é só uma pontinha do que é possível. Olha só alguns exemplos interessantes:

Pinterest

Eu, como designer, sempre dou uma olhadinha no Pinterest para pegar algumas referências visuais. Há algum tempo ele tem apostado na IA para ajudar seus milhões de usuários a encontrarem imagens publicadas na plataforma. O Pinterest usa os dados relacionados aos pins ou fotos que o usuário salva durante a navegação para entender o seu comportamento. Com isso ele gera resultados mais relevantes que evoluem com base nas ações do usuário.

Adobe

A Adobe é referência em criar ferramentas incríveis para edição de fotos e agora ela está de olho nas selfies também. Se liga no vídeo abaixo. Ele mostra alguns recursos legais para melhorar as fotos dos usuários. Um deles coloca aquele desfoque no fundo que dá profundidade à imagem. Um outro ajusta a perspectiva do rosto para parecer que o usuário não tirou a selfie de tão perto.

Gmail

Já reparou que o Gmail tem sugerido respostas para os seus e-mails? Legal, né?

O Google quer melhorar ainda mais essa experiência usando um recurso chamado Smart Compose, escrita inteligente, em português. Ele usa a Inteligência Artificial para sugerir palavras ou frases.

As sugestões são baseadas em em bilhões de frases comuns. Assim o Gmail consegue prever o que ele poderá escrever em seguida. Facilita nossa vida.

Spotify

Eu adoro escutar música no trabalho. Chego, ligo meu computador e já inicio o Spotify. E desde que eles lançaram o Discover Weekly (Descobertas da semana) escuto mais e mais músicas que talvez eu nunca conheceria. Isso é graças à AI que ajuda a recomendar músicas pegando informações de uma base de dados gigantesca relacionada ao meu comportamento e de outros usuários na plataforma.

Facebook

Além daquele primeiro exemplo de recohecimento de fotos, o Facebook também apostou em outra forma de usar a IA. Ele consegue entender o conteúdo de uma imagem para ajudar usuários que tem dificuldades visuais.

Links interessantes:

🇧🇷 A Diferença Entre Inteligência Artificial, Machine Learning e Deep Learning

🇧🇷 Sete tecnologias de Inteligência Artificial apresentadas pelo Google

🇧🇷 Como a Inteligência Artificial vai mudar o seu dia-a-dia de designer

🇺🇸 Integrando cientistas de dados e User Researchers no Spotify

Marcos Carolino — Analista de UX