26 . 11 . 2021

Cultura forte: se for apostar, que seja a favor

Guiada por paixão e orgulho de pertencer, Wiz opera guinada na sua história recente e se prepara para revolucionar o ecossistema brasileiro de seguros e produtos financeiros

O senso de orgulho e paixão sempre foi um valor marcante das pessoas que trabalham na Wiz. E tornou-se um diferencial importante em momentos de adversidade, quando o conglomerado foi posto à prova, sendo alvo de desconfianças do mercado e dos investidores. Sob pressão, a companhia reagiu somando esforços, enfrentou os problemas, superou as dificuldades e pavimentou um novo caminho de conquistas.

Em 2017, com a possibilidade do contrato de exclusividade com a Caixa Seguridade ser descontinuado, o futuro era incerto. Um temor que colocou em xeque a confiança dos colaboradores com relação à perenidade da companhia. Em mais de 40 anos de atuação, talvez a Wiz estivesse diante de seu momento mais desafiador.

“Foram meses de tensão e expectativa, mas de determinação. Tínhamos o sonho de transformar a Wiz numa empresa moderna, dinâmica e digital”, relembra Heverton Peixoto, CEO da Wiz. Quando assumiu a presidência, em 2018, o executivo tinha um plano estratégico ambicioso pela frente, focado na diversificação dos negócios e sustentado por uma cultura forte, capaz de guiar a empresa rumo a um futuro promissor. “Foi então que nos reinventamos para chegar em 2021 mais potentes do que nunca”, completa.

Para marcar essa nova era da companhia, Heverton costuma usar uma frase simples, parafraseando o investidor americano Warren Buffet, que foi dita pela primeira vez na apresentação dos resultados do trimestre e se transformou em um lema dentro da companhia, assim como uma resposta ao mercado: “Never bet against Wiz” (em português, “Nunca aposte contra a Wiz”).

Esse movimento ganhou força de forma orgânica e estruturada ao mesmo tempo em que acontece um novo marco na empresa: a criação de uma área focada em cultura organizacional. O objetivo é estruturar os valores, e principalmente, atitudes do jeito Wiz de ser, estabelecer métodos e processos e ser o motor que dá tração para a companhia evoluir com equipes engajadas e cientes de seu propósito.

Mais do que uma resposta ao mercado, o lema ganhou proporções maiores como um norteador do comportamento interno. “É o resultado de uma empresa feita de pessoas com paixão, persistência e resiliência para promover uma guinada. Só enfrentamos tudo isso por conta desse ímpeto tão característico da Wiz”, diz Carolina Bento, diretora de Gente e Gestão. “A alavancada só foi possível pela interação desses elementos que, agora, caminharão ainda mais sintonizados ao business da empresa”, complementa.

Muitos são os exemplos no cotidiano da Wiz, mas, duas manifestações do público interno, em especial, que nasceram nos anos mais difíceis, evidenciam a força da sua cultura. A hashtag “Orgulho em Pertencer”, utilizada nas redes sociais por colaboradores da companhia, virou uma corrente espontânea de demonstração de união e paixão pela empresa. E simbolizou a crença de que a Wiz ultrapassaria esse período desafiador.

Na mesma intenção, o movimento “Eu Acredito” tomou as redes após o anúncio da perda de exclusividade do balcão da Caixa Econômica. Essa iniciativa não só reavivou o orgulho dos colaboradores em, apesar das adversidades, fazer parte da Wiz, como mostrou que estavam dispostos a enfrentar as turbulências de mãos dadas. Eles apostaram a favor. E, até agora, ao que tudo indica, estavam certos.

Hoje, a Wiz vive um momento de resultados expressivos e expansão com novas parcerias e extensão de contratos. Neste ano, já celebrou acordos com Banco do Brasil, Santander e Itaú — três dos cinco gigantes do país. Ao lado do Bmg, a companhia agregou R$ 95,5 milhões no primeiro semestre de 2021. E, no ano passado, dobrou a receita da Inter Seguros após um novo direcionamento estratégico.

Todos esses incrementos posicionam a Wiz para ganhos em escala no futuro. “Durante a retomada, aceleramos a nossa curva de crescimento e estreitamos laços de confiança e credibilidade com acionistas, investidores, colaboradores, fornecedores e parceiros de negócios. Fortalecemos a reputação perante a opinião pública e todos os públicos de interesse”, avalia Heverton.

Vivência mais consciente de valores e práticas

Iniciativas com foco em cultura sempre tiveram um grande espaço na dinâmica da Wiz.  Coordenadas por diferentes áreas, agora, essas ações estão reunidas num único guarda-chuva e sob olhar ainda mais especializado. O primeiro grande objetivo da nova área é garantir que toda a companhia esteja sintonizada à visão de futuro da Wiz. Isso se dará por meio do reforço de propósito, valores e, principalmente, de atitudes, a fim de possibilitar a sinergia entre todas as áreas, agentes e unidades de negócio.

“Ao mesmo tempo em que tornamos mais expressivos e tangíveis os elementos culturais que fizeram a companhia chegar até aqui, pretendemos calibrar atitudes do jeito Wiz ao momento atual da empresa”, explica Isabel Gomes, coordenadora de cultura e diversidade e uma das responsáveis pela estruturação da área. “Queremos modernizar conceitos, fortalecer a cultura e expandir a sua compreensão entre colaboradores, mercado e sociedade, facilitando a condução da nova lógica de negócios da Wiz à medida que ela prospera no mercado”, complementa a gestora.

”É o resultado de uma empresa feita de pessoas com paixão, persistência e resiliência para promover uma guinada. A alavancada só foi possível pela interação desses elementos que, agora, caminharão ainda mais sintonizados ao business da empresa.” Carolina Bento, diretora de Gente e Gestão da Wiz

Para isso, ingredientes do jeito de ser Wiz estão ganhando nova roupagem, de modo a possibilitar a adesão orgânica por toda a empresa e uma vivência ainda mais consciente de valores e práticas.

“Em breve, lançaremos a nova representação dos nossos pilares de cultura. A ideia é que eles atuem de forma harmônica e complementem os outros componentes da nossa cultura, como propósito e valores, se materializando em atitudes e símbolos”, explica Isabel.

Vantagem competitiva e perenidade

A frase do escritor e consultor organizacional Peter Druker nunca fez tanto sentido: Culture eats strategy for breakfast, algo como, “a cultura come a estratégia de café da manhã”, ou, em português claro, a cultura ganha de lavada da estratégia quando o assunto é sustentabilidade e êxito dos negócios.

Um estudo global feito no início de 2021 em mais de 50 países pela PwC, empresa de auditoria e consultoria, apontou que 67% das organizações entrevistadas veem a cultura como um elemento mais importante do que a própria estratégia ou as operações. A análise também indicou que, para a maioria dos entrevistados, uma culturai forte é uma vantagem competitiva significativa no mercado.

Tendência em todo o mundo, o estabelecimento de um setor focado em cultura e da figura de um Chief Culture Officer, algo equivalente em português a um diretor ou coordenador de cultura, ainda é incipiente no Brasil. “Mais do que em qualquer outra época, o sucesso de empresas depende de uma cultura forte. Diante disso, ter uma área cujos esforços estão na cultura organizacional pode ser determinante para companhias que almejam a perenidade no mundo contemporâneo”, afirma Marlene Marchiori, especialista, mentora e pesquisadora do tema.

Nesse sentido, a Wiz assume, mais uma vez, posição de vanguarda ao estabelecer para si um setor focado em sua cultura, elemento indispensável ao objetivo de ser a maior e melhor gestora de canais de distribuição de seguros e produtos financeiros do país.

“Ao mesmo tempo em que tornamos mais expressivos e tangíveis os elementos culturais que fizeram a companhia chegar até aqui, pretendemos calibrar atitudes do jeito Wiz ao momento atual da empresa.” Isabel Gomes, coordenadora de cultura